Rua Eng. João Luderitz, 475 | Bairro Sarandi - Porto Alegre/RS
+55 (51) 3013-0333 | +55 (51) 999.560.177

Analisador de Rede ST9600 para identificar distorções harmônicas em sistemas fotovoltaicos

Analisador de Rede ST9600 para identificar distorções harmônicas em sistemas fotovoltaicos

energia fotovoltaica

Com o crescente aumento das instalações fotovoltaicas é necessário verificar a qualidade da energia elétrica, que os inversores fotovoltaicos estão produzindo. Uma vez que esses inversores podem distorcer as formas de onda de corrente e tensão nas instalações em que estão conectados, podendo inclusive causar grandes impactos na rede de energia elétrica da distribuidora.

Os sistemas de energia fotovoltaicos permitem que parte da geração de energia elétrica seja disponibilizada para uso na unidade consumidora. O excedente pode ser devolvido para a rede da concessionária local, conforme estabelecido na resolução normativa da ANEEL (687/2015).

O Analisador de Redes Elétricas ST9600 é um importante aliado na identificação de distorções harmônicas em sistemas fotovoltaicos. Leia agora este artigo e entenda mais sobre o assunto.

Consequências das distorções harmônicas presentes em sistemas fotovoltaicos

A corrente elétrica utilizada em residências e indústrias é do tipo alternada senoidal com frequência de 60Hz. O que quer dizer que o fluxo muda de sentido com o decorrer do tempo. Já a corrente gerada por módulos fotovoltaicos é do tipo de corrente contínua. Dessa forma, para poder utilizar a energia gerada pelos módulos fotovoltaicos, é preciso realizar uma conversão de corrente contínua para a corrente alternada, através do uso de inversores de frequência. Existem dois tipos de inversores fotovoltaicos:

On grid: conectado à rede elétrica da concessionária de energia.
Off grid: utilizado em sistemas fotovoltaicos isolados, sem conexão com a rede da concessionária.

Com um grande número de sistemas fotovoltaicos sendo conectados à rede da distribuidora de energia elétrica, surge uma preocupação quanto à qualidade de energia elétrica fornecida pelos inversores que realizam a interface entre os módulos fotovoltaicos e as instalações elétricas de baixa tensão da unidade consumidora.

Apesar de haver normas nacionais e internacionais, que visam atender os requisitos da qualidade de energia elétrica, os sistemas de distribuição estão sujeitos à interferência de harmônicas produzidas por estes inversores fotovoltaicos. Ou seja, a forma de onda de tensão produzida por estes equipamentos sofre com uma variação em sua forma e frequência, durante a geração de energia e, em certos casos, afetam também a forma de onda de tensão da rede elétrica interna e externa.

Se as harmônicas presentes nos sistemas fotovoltaicos não forem devidamente corrigidas, isso pode se tornar um fator preocupante para as redes de distribuição de energia elétrica. Isso porque essas redes já lidam com a presença de cargas não-lineares (sistemas de iluminação LED com baixo fator de potência, controladores de velocidade variáveis na indústria, veículos elétricos, entre outros). O que pode resultar em uma energia de má qualidade, que pode causar até mesmo a queima de equipamentos.

Solução para o excesso de harmônicas em sistemas fotovoltaicos

Os inversores fotovoltaicos geram energia ativa, tanto que algumas marcas informam com certo orgulho que seus produtos são eficientes, com altos fatores de potência. Porém, muitas instalações com número expressivo de motores elétricos, por exemplo, demandam necessidade de um mínimo de energia reativa para a magnetização destes equipamentos. Como os inversores são cada vez mais produzidos para um fator de potência alto, a instalação do cliente importa da rede da concessionária essa energia reativa e neste caso, pode haver a cobrança de multa.

Outra questão é que os inversores solares não corrigem de forma eficiente o baixo fator de potência, quando há distorções harmônicas na instalação. Por isso é indicado que, após a conclusão da instalação fotovoltaica, se utilize um Analisador de Rede ST9600 da Sultech, para determinar o fator de potência da instalação.

Após esse procedimento e com os registros do banco de dados, é possível projetar um sistema automático para correção do fator de potência da instalação. Neste caso, é indicado instalar um controlador automático, como um ST8200, Controlador de Fator de Potência, para controle e monitoria do banco de capacitores. Desta forma, a instalação fica protegida contra este gerador de reativos, consequentemente, livre de multas de UFER.

Com o Analisador de Redes Elétricas os sistemas fotovoltaicos podem ser ainda mais eficientes

Além de ser uma alternativa sustentável para o fornecimento de energia convencional, os sistemas fotovoltaicos podem também resultar em uma economia significativa para as indústrias. Isso porque, além de fornecer a energia necessária para o funcionamento dos equipamentos da empresa, dependendo do sistema instalado, o excedente de energia pode ser direcionado para a rede da concessionária local. O que pode gerar créditos para o abatimento em consumo de energia.

Porém, para que o sistema fotovoltaico seja realmente eficiente é preciso se atentar para as harmônicas injetadas na rede. Para evitar que esse tipo de problema afete a qualidade da sua energia, conte com os dados fornecidos pelo Analisador de Redes Elétricas ST9600, da Sultech.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

WhatsApp Suporte (apenas texto)
× Vendas
%d blogueiros gostam disto: