Rua Eng. João Luderitz, 475 | Bairro Sarandi - Porto Alegre/RS
+55 (51) 3013-0333 | +55 (51) 999.560.177

Dez questões sobre Fator de Potência

Dez questões sobre Fator de Potência

Muitas pessoas têm dúvidas relacionadas à análise do Fator de Potência da rede elétrica de seu empreendimento. Leia nosso artigo e obtenha todas as respostas!

  1. Por que existem controladores de fator de potência monofásicos se o meu barramento elétrico é trifásico?

Porque, em instalações industriais, as cargas mais significativas são motores trifásicos. Portanto as correntes de cada fase são iguais ou no mínimo muito parecidas.

Assim, o controlador monofásico, mesmo medindo uma única fase, parte da premissa que, sendo as outras iguais, ele pode corrigir o fator de potência pelo calculo daquela fase.

Isso simplifica o circuito e barateia o custo da instalação pois precisamos dois TCs a menos.

  1. Por que o controlador ligado no modo Fase-Fase mostra a corrente maior do que eu meço no primário do TC ?

Numa conexão Fase-Fase, supomos um sistema trifásico em Triângulo ou Delta. Nessa situação, a carga estará conectada entre duas fases e a corrente que circula na carga é 1,73 vezes maior que a corrente de fase, aquela que circula no TC.

O controlador Sultech é o único que mostra a corrente na carga, proporcionando uma visão correta dos fatores que compõe a Potência consumida na carga: tensão de linha, corrente de linha e fator de potência.

  1. Para que serve o banco máximo no controlador de fator de potência?

Os controladores Sultech são os únicos que disponibilizam um parâmetro chamado “Banco Máximo”. Esse dado possibilita ao controlador limitar o valor, por step, da potência reativa que ele irá ligar em caso de necessidade. Significa dizer que se o barramento necessitar de 100 KVAr num determinado momento e o parâmetro de Banco Máximo estiver setado para 20KVAr, ele irá ligando passos de, no máximo20 KVAr, até completar 100 KVAr. Isso evita uma inserção de carga capacitiva muito grande, provocando surto de tensão na rede e uma geração de outros distúrbios.

  1. É melhor ter passos iguais ou diferentes na composição de um banco automático de fator de potência?

Isso vai depender do valor dos steps e do total da potência reativa a ser acrescentada na instalação.

Se a correção for muito grande, pode-se colocar passos maiores para uma primeira correção e passos menores para o ajuste fino. Isso irá causar um desgaste maior nos capacitores grandes, que serão ligados com mais frequência.

Caso o valor total do banco seja pequeno, valores iguais são mais convenientes para permitir um rodízio melhor e uma economia de manutenção dos capacitores.

  1. O fator de potência é melhor ou pior num motor sem carga?

Parece contraditório mas não é! O fator de potência piora no caso de um motor sem carga.

Pense bem: se o motor está ligado, a corrente de magnetização não varia e a Potência Reativa, consequentemente, também não. Mas, se retiramos a carga do eixo, menos Potência Ativa é consumida. Então, teremos menos Ativa e mantemos a Reativa, logo menor o fator de potência.

  1. Se consegue manter o fator de potência exatamente em 0,92 com bancos de capacitores ?

Teoricamente sim. Porém é muito difícil fazer ajustes tão exatos com capacitores. O capacitor tem uma tolerância que fica, em média em 10%. Com o correr da vida útil o dielétrico se deteriora. Com isso tudo fica praticamente impossível querer ficar com o valor muito justo ao valor legal.

Prefira sempre dar uma folga, deixando um fator de potência acima de 0,92.

Considere também que o fator de potência mais alto aumenta a eficiência da sua rede. Então, por que não deixar em 0,95, por exemplo?

  1. O conteúdo harmônico influi no fator de potência ?

Sim. Como já vimos em outros artigos, com o advento das cargas chaveadas e outras causas de deformações das formas de onda de tensão e corrente, o conceito de fator de potência foi ampliado de ângulo entre tensão e corrente para a relação entre potência ativa e potência aparente calculada incluindo o conteúdo harmônico. Matematicamente se comprova que o conteúdo harmônico se soma na potência aparente. Assim, se a potência ativa é a mesma porque a carga não variou, a divisão da ativa pela aparente fica menor, logo, menor é o fator de potência.

  1. Devemos controlar o fator de potência no mesmo intervalo da demanda ?

Não. Pela legislação atual o fator de potência considera a média de uma hora enquanto a demanda calcula a média de 15 minutos.

Assim, se o fator de potência ficar abaixo de 0,92 por alguns minutos, ele não causará multa desde que na maior parte do tempo fique acima do valor obrigatório.

Essa é mais uma razão para mantermos o valor do fator de potência bem acima de 0,92. Assim, nos permite ter períodos de baixa sem grande prejuízo na média horária.

O controle de demanda é mais radical. Se a média de 15 minutos for acima do contratado, a multa virá.

  1. O controle de fator de potência pelo Interface de Usuário do REP da concessionária é vantajoso ?

Em casos de usuários que têm essa possibilidade, pode ser melhor controlar o FP com os valores que a concessionária enxerga. Nesse caso o controlador usa os valores de KWh e KVARh que o REP envia através do interface óptico. Entretanto, certas concessionárias cobram tão caro pela instalação do cabo óptico que a medição por TCs é mais econômica.

Também há a necessidade de se descobrir a constante de conversão dos pulsos para fazer o cálculo correto. Esse parâmetro deveria ser informado pelas concessionárias. Mas algumas simplesmente se recusam a informar ou suas equipes sequer sabem que ele existe.

  1. O que é afinal o Interface de Usuário do REP ?

O IU ou SU é um conjunto de Hardware e Software. O hardware é representado pelo cabo isolado opticamente que liga o REP ao controlador de fator de potência e ou de demanda.

O software é o protocolo conhecido como protocolo CODI e que é normatizado pela ABNT. Este protocolo de software possui quatro possibilidades. Porém, na prática do controle de grandezas elétricas, somente duas interessam: normal e estendido.

O protocolo normal informa energia ativa e reativa, se o posto tarifário é indutivo ou capacitivo e o tempo para o final dos 15 minutos. Neste caso não temos informação se o fator de potência instantâneo é indutivo ou capacitivo. Podemos calcular apenas seu valor absoluto. No modo estendido recebemos um byte a mais onde está o sinal do fator de potência. Aí sim o controle fica muito mais preciso.

A Sultech fabrica controladores automáticos de fator de potência há 28 anos e pode ajudá-lo a fazer as escolhas corretas. Entre em contato conosco!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

× Fale com nossos Vendedores.
WhatsApp Suporte ao cliente
%d blogueiros gostam disto: